terça-feira, 13 de maio de 2008

Tomada de humanidade,

digo que somos sim, na realidade, todos tão desamparados quanto eu me senti naquele dia.

[ e aí eu dou as mãos pr'alguém e seguro forte, assim, nem que seja uns segundos. as lágrimas saem pouquinho a pouquinho e um alívio instantâneo invade: é que estar tomada de humanidade também é cultivar esperança. distribuo por aí, em forma de suor e palavra...]

2 comentários:

Ni disse...

Tu e Gabriela são minha humanidade inteira - e eu bem sei que voc~es sabem.

sblogonoff café disse...

É o que preenche o oco, o ocaso e meus acasos... Se existirem.