domingo, 25 de março de 2007

Cor-de-rosa. Bebida. Talvez. Vermelho. Sexualidade. Vadia. De novo. Memórias. Areia. "Ela e o mar".

Tudo de que me lembro é de quando comecei a chorar ontem.
Eu me lembro porque durou além das lágrimas. Olhe agora, por exemplo, não há lágrimas e estou chorando.
Deus sabe pelo que estou passando e ele (ela? aquilo?) é provavelmente o único. Nem eu sei.
Sou tão fascinada com o que não compreendo que não paro de me olhar no espelho a toda hora. Não posso tocar o que vejo e talvez eu tema o que eu vejo, mas sinto a sua profundidade.
E me apaixono pela minha vida. A minha própria.
Quero dançar para morrer depois. Ler para morrer depois. Acordar para morrer depois. E todas essas pequenas mortes diárias deveriam me deixar num estado absoluto de morbidez, e me deixam em êxtase no lugar. Ou fora do lugar?
Eu morro para explodir depois, para morrer depois e explodir até a morte. O que deveria ser oposto anda junto, não só a falta de existência e o etéreo, como também tudo no meio deles.
E sabe qual a graça? Eu não sou o meio de nada. Sou o limite. E meu limite está cheio de "meios" que deveriam se contradizer, quando também são metades uns dos outros.
Meu limite é incompleto, apesar de eu estar, literalmente, tão cheia de tudo até a alma e seu desequilíbrio.
Estou tão viva que sou um fantasma.

2 comentários:

Otavio Cohen disse...

simplesmente emocionante. muito mesmo. inefável.

alter disse...

inefável [2]

você escreve tão bem que dá vergonha