domingo, 4 de março de 2007

Pós-eclipse

Mais perigoso que lembrar de você por causa da lua, é me ver em você a ponto de interpretá-la como um detalhe cruel demais, quando contemplado por uma pessoa só.
Aliás, mais que isso só temo o fato de me ver em você a todo o tempo agora a ponto de quase esquecer que existe lua.
Queria fazer parte da sua vida por completo, pro seu medo me fazer mais sentido.
E queria fazer parte do seu passado, pra dizer tudo sem receio, e dizer que eu deixo você gostar de mim.
Porque deixo. Deixo, e às vezes até preciso.

2 comentários:

alter disse...

ai que poética alter
eu só lembrei do eclipse pq alguém gritou atrás de mim que a Lua tava sumindo

*sim, uma aula de linguistica é suficiente para acabar com todo a poesia inerente do ser humano*

adoro-te

Otavio disse...

aiai
não ser vc pra te tirar o sofrimento q tem nas palavras doi ainda mais do que doeria se eu fosse.