terça-feira, 10 de julho de 2007

A cabeça meio baixa encostada no ombro com o meio sorriso.

Porque quando a gente sentiu, sentiu e sentiu sentindo sem gritar pro mundo, quando finalmente decidimos dividir, vem um receio, até meio doce ele, sabe?!

E por isso não consegui distinguir um bobo e um apaixonado de mim.

Percebo que meus posts vão assim, ficando cada vez menores enquanto vou me esticando verticalMENTE, até que consiga me dobrar um segundo, voltar pra mim por dois, me explicar de novo. Tento:

Boba, apaixonada e eu. Como nunca.

Só tinha de ser com você. Por você, quem sabe.

Só tinha de ser com ela, no pas de trois simultâneo à minha tentativa de declaração de amor eterno por gestos, sentidos e olhares.

Só tinha de ser com aquela vontade, estampada na lente, que sufocava e era maior que a respiração cansada que já me doía na hora do aplauso. Por ela, com toda a certeza do mundo.

Tudo feito de azul, então.

Com um sorriso no rosto, morando nesse azul: eu sem nunca mais querer tocar o chão.

4 comentários:

Ni disse...

E a cada dia que passa, consigo enxergar mais metáforas por aqui, também. E sabe o porquê? Estamos cada vez mais juntas, mais... "Cúmplices"? É, talvez. Pode ser, é? Ou será.

É que a cada letra nova que grita dentro da gente, é sentimento novo aflorando. É sentimento antigo dando voltas feito ciranda, é pulo de sorrisos - carnaval em Julho.

"Só tinha de ser com aquela vontade, estampada na lente, que sufocava e era maior que a respiração cansada que já me doía na hora do aplauso. Por ela, com toda a certeza do mundo.
Tudo feito de azul, então."

E não poderia escrever mais bonito, nem diferente. :)

Otavio Cohen disse...

gente, q coisa linda é essa. melhor post ever. mesmo sem querer (talvez) ser. só tinha de.

e aí a gente encontra a paz.

Camila disse...

"Só tinha de ser com ela, no pas de trois simultâneo à minha tentativa de declaração de amor eterno por gestos, sentidos e olhares."

nossa dança fica grande demais pra esse mundo...

vamos fazer uma cia juntas?
=******

Mirous disse...

"Tudo feito de azul, então."

Ora, ora. Azul, porque não, que azul é cor boa, cor de paz, cor de infinito.

Se esse comentário se caracteriza como auto-louvação, não o creio, é só para aqui ficar mais azul.